Inicial / Opinião / Jurídico / Analista que foi demitida após prever a ruína da economia recebe indenização de R$ 450 mil

Analista que foi demitida após prever a ruína da economia recebe indenização de R$ 450 mil

A analista financeira Sinara Polycarpo, demitida em 2014 após enviar uma carta aos correntistas do Banco Santander – afirmando que uma recuperação da presidente Dilma Rousseff na corrida eleitoral causaria uma “deterioração” na economia brasileira – receberá do banco R$ 450 mil como indenização por dano moral.

Na época, Sinara enviou carta a alguns dos clientes que ela atendia, afirmando que, caso Dilma tornasse a subir nas pesquisas “o câmbio voltaria a se desvalorizar, juros longos retomariam alta e o índice da Bovespa cairia”.

O texto provocou a ira do Partido dos Trabalhadores e do ex-presidente Lula, que na época chegou a pedir a demissão de Sinara. “Essa moça não entende ´porra´ nenhuma de Brasil e de governo. Manter uma mulher dessas em cargo de chefia é sinceramente… Pode mandar ela embora e dar o bônus dela pra mim, que eu sei como é que eu falo”, declarou o ex-presidente.

A reclamação de Lula surtiu o efeito que ele desejava e a executiva foi demitida pelo Santander, que chegou a desculpar-se em sua página na Internet.

Pouco depois ela ingressou com ação trabalhista, sustentando que “o banco foi subserviente a políticos”.

Na sentença, a juíza Lúcia Toledo Rodrigues, da 78ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP) afirmou que a postura do banco “serviu apenas para demonstrar sua parcialidade em atender os interesses políticos por conta da eleição e a falta de comprometimento perante seus clientes investidores”.

Cabe recurso ordinário ao TRT-SP. (Proc. nº 00028302920145020078).

Sobre Jan Felipe Silveira

Confira Também

CNJ aprova cota de 20% para negros em concursos para o Judiciário Reserva serve para juízes e servidores da maioria dos tribunais do país. Cotas serão aplicadas em concursos com mais de 3 vagas até 2024.

Cotas serão aplicadas em concursos com mais de 3 vagas até 2024.A regra valerá para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *